3.28.2011
All because of U2
 
(ou: Como ser fã da maior e mais certinha banda pop do mundo e manter-se uma chata individualista)

Bono, se for parar pra ver, realmente não faz sentido eu ser fã da sua banda. Nunca fui militante de nada. Nunca dei grandes importâncias pros famintos da África. To nem aí pro Martin Luther King. Não me comovo com aviões ingleses soltando bomba na Irlanda num domingo sangrento qualquer. Nem entendo o suficiente de música pra compreender a revolução que o The Edge fez na história das guitarras. Além disso tudo, não faço o perfil de quem curte uma banda (ou qualquer outra coisa) simplesmente porque muita gente curte. Bono, eu to cagando pros seus fãs.

Eu gosto de você because you give me something I can feel. Um dia em 1998, um dia em 2007, um dia ano passado, anteontem. Eu não acho o U2 melhor no começo. Foda-se a nostalgia de uma época que eu não vivi. Eu gosto de você pelo The Fly. Pela vez que você acordou de saco cheio de ser anjo, decidiu tirar uma onda e criar um personagem pra dizer pros milhões de fãs que o que você é não é segredo algum (Quantos entenderam o recado, Bono?). Gosto de você por você ter feito uma música sobre a noite que reencontrou um amante de adolescência, chifrou a esposa que você idolatra e chegou de ressaca na gravação do All That You Can’t Leave Behind - mas chegou com uma das melhores músicas do álbum. Por ser um cristão que resmunga sobre terem colocado Jesus no show business (eu sei como é, também tenho ciuminho dos meus ídolos). Por me contar que tem que ser um acrobata, pressionado a dizer uma coisa enquanto faz outra, que até você, o grande Bono, passa por isso, então eu não devo deixar the bastards grind me down. Os bastards já foram meus pais. Já foram meus colegas da escola, depois da faculdade. Já foi um chefe.  Já foi um país. Graças a você, Bono, eu não deixei. Obrigada.

Graças a você eu tive um dia bonito em um lugar que por um instante eu amei, mesmo sabendo que não era verdade. Você me deu a alegria de dançar na chuva comemorando a chegada do amor à cidade. Quando eu não conseguia me desapegar de um vício de jeito algum, sua voz gritando let it go, era um grande alívio na bad trip. I and I in the sky, you make me feel like I can fly. Gosto de você porque você não vai embora quando eu preciso to take a pill to stop it. Xanax, wine and U2: tchau mundo, nem bate na porta que eu não vou abrir. Gosto de você, Bono, por ter me levado pra ruas sem nome, iluminado meu caminho. Até por ter me feito rezar um salmo. 

Não me importa que você não saiba que eu existo. Não me importa que eu nunca vá dançar With or Without you no palco com você. Não me importa se nunca vou ser sua melhor amiga. Não precisa nada disso. Eu gosto de você e não me interessa quantas pessoas gostam. Nenhuma delas gosta pelo mesmo motivo que eu. Porque os momentos em que você está comigo só existem pra mim. Quem você é de verdade ou de mentira, o senhor Paul Hewson, marido, pai de família, cantor, poeta, músico, artista, ativista, formador de opinião, salvador da África, palestrante do TED, uma das figuras mais carismáticas, poderosas e inspiradoras do mundo, não me interessa.

Eu gosto de você, Bono, porque você sou eu. E isso é algo que só eu tenho.

“I saw you in the curve of the moon
In the shadow cast across my room
You heard me in my tune
When I just heard confusion
All because of you
All because of you
All because of you
I am

posted by Arlequina @ 9:56 AM  
 



3 Comments:
  • At 10:39 AM, Blogger Fá Nascimento said…

    Já te elogiei tanto nesse blog que cheguei a dizer a mim mesma: "tá bom, ela já sabe que vc gosta de dos textos dela".

    Mas puta merda, vc tinha que escrever sobre MINHA BANDA, sobre MEU CANTOR... sobre mim.

    "Foda-se a nostalgia de uma época que eu não vivi. Eu gosto de você pelo The Fly. Pela vez que você acordou de saco cheio de ser anjo, decidiu tirar uma onda e criar um personagem pra dizer pros milhões de fãs que o que você é não é segredo algum (Quantos entenderam o recado, Bono?)"
    EU entendi e ADOREI. Amém, Bono.

     
  • At 10:42 AM, Blogger Arlequina said…

    eu sabia que vc entenderia... =)

     
  • At 12:27 PM, Anonymous Natalia Rabanal said…

    depois de anos (acho) volto a ler seu blog, por conta do link no facebook, é verdade, mas volto a ficar de cara c/o jeito como vc escreve coisas q eu não consigo dizer a mim mesma...

    bom show aí procê!!!

    ah, e c/alguns anos de atraso, só queria dizer q acho q um dos melhores posts seus e q levo comigo até hj é o das mulheres de tons pastéis.

     
Postar um comentário
<< Home


il libretto

 

Rss


"Em qualquer terra em que os homens amem. 
 Em qualquer tempo onde os homens sonhem.
 
                                                        Na vida."

Máscaras - Menotti del Picchia

 

outros palhaços

 

Ai Minha Santa Aquerupita!
By Julia
Meu Melhor Amigo Gay
Quero te pegar sóbrio
Cara de Milho
Humano e Patético
Bodega da Loli
Café e Cigarros
Flor de Hospital
Diário de Trabalho
Homem é Tudo Palhaço
Vida Bizarra
A Casa das Mil Portas

 

clap

 

Opera Bufa
Desenblogue
Pérolas para porcos
Piores Briefings do Mundo
Malvados
Vida Besta
Omelete
Danilo Gentili
Wagner & Beethoven
Ryotiras
Vai trabalhar, vagabundo!
Follow the Colours
Design On The Rocks
Puta Sacada
4P
Anões em Chamas
Kibe Loco

 

o carnaval que passou