6.14.2009

 
Aos Trancos E Barrancos
(Raul Seixas)

Eu vou pendurado na janela,
Vou mais pensando nela que esse sujo pelo chão
Eu vou descascando a minha vida,
Sujando a avenida com meu sangue de limão

Rio de Janeiro, você não me dá tempo
de pensar com tantas cores
Sob este sol
Pra que pensar se eu tenho o que quero
Tenho a nega, o meu bolero,
A TV e o futebol

Eu não vou levando nosso leite
Troquei por um bilhete da roleta federal
Eu vou pela pista do aterro
E nem vejo meu enterro que vai passando no jornal
posted by Arlequina @ 10:22 PM   0 comments
 





6.11.2009

 


Então, voltei.



É um clima estranho. Bom, muito bom, mas estranho. Parece que o Rio se preparou pra minha chegada: limpou a casa, fez a cama, comprou o que eu gosto de comer no café-da-manhã, deu uma ligada no ar condicionado e até mandou buscar uns amigos de Aracaju pra essa festa de boas vindas que já dura há três semanas. Então tenho feito turismo pra acompanhar as visitas: Santa Teresa, Pão-de-Açúcar, Urca, Lapa, Jardim Botânico e todas aquelas maravilhas do Leme ao Pontal que o Tim Maia fala na música. Imagine que até em hotel em Copacabana eu dormi! Me passo por turista fácil, principalmente devido ao meu péssimo senso de direção e meu sotaque que não sabe se é nordestino ou carioca. Mas ao mesmo tempo que descubro partes da cidade que nunca conheci na minha infância passada num subúrbio da Zona Norte, sinto um prazer enorme em mostrar tudo pra quem chega. E me sinto em casa.



Noutro dia, nessas ironias bem clássicas da minha existência, estava paquerando um cara LIN-DO. Quando ele veio falar comigo, tinha sotaque. Perguntei de onde era e, advinha só, era americano. Disse pra sair pra lá, gringo, que já cumpri minha cota de EUA nessa vida, que detesto americano, que esse povo é tudo louco e agora só quero saber de Brasil, Brasil, Brasil e Brasil. Ao invés de se sentir ofendido com a minha piada horrivelmente sem noção, ele achou bonito descobrir que eu não era uma caça-gringo (talvez uma das únicas da festa) e me deu ainda mais assunto. Aí eu disse que, só porque ele era MUITO simpático e falava português, ia fingir que ele era alemão. ;) Acabamos ficando de brodagem o final de semana todo. Ele chegou ao Rio há dois meses e tá planejando ficar aqui um ano. E a parte mais interessante de estar me aproximando dessa figura é que eu me vejo como eu era quando cheguei na terra dele. Aquele olhar de criança descobrindo um monte de coisa nova, comparações, saudade de casa, vontade de ficar mais, carência, ansiedade de fazer amigos, de arrumar emprego, de aprender a língua. Língua. O português dele é MUITO bom, mas tem exactamente o mesmo tipo de falha do meu inglês: a de pensar no idioma materna e traduzir pro idioma do outro. E ele fica defensivo quando é corrigido, que nem eu ficava. É um tipo de "Ai meu deus, fui pego no flagra sacaneando a língua deles. E agora, o que faço? Vou inventar uma desculpa. Ai que vergonha!" Por exemplo: noutro dia ele falou uma frase que terminava com "sair por o fundo." Achei bonitinho e ri. Aí primeiro ele quis saber porque eu estava rindo. Depois disse pra não corrigi-lo naquele dia porque estava cansado e sem paciência. Depois quis saber sim o que ele tinha falado de errado. Aí eu respondi que dava pra entender, mas faria mais sentido dizer PELO fundo. Então ele pensou, pensou, e disse "Minha professora era do sul do Brasil. Deve ser alguma coisa do sotaque, lá eles falam assim." Rá! :)



E nessa mesma semana eu vi Budapeste. Não quero nem ler o livro pra não estragar o filme. Achei LINDO! Pra quem ainda não sabe, é justamente sobre um cara que muda radicalmente a vida indo pra outro país e aprendendo outra língua e, quando chega lá, repete exactamente os mesmos erros porque custa muito mais do que mudar pra outro continente pra deixar de ser mané. E aí você quer voltar e então sim você descobre que é uma pessoa diferente. Aí quer ir embora de novo. E depois voltar de novo. E depois ir embora de novo. Funciona assim pra quem tem esse coração de Álvaro de Campos, não consegue parar quieto, mas não vive sem um porto. Me identifico.



Meu porto é o Rio. A cidade mais feia e a mais linda do mundo. Assim, lado B lado A. Gosto de ter a minha casinha da Tia Nina em Rocha Miranda. Gosto de ir ver o pôr-do-sol na Urca. Gosto de dançar samba na Lapa e dormir na casa da minha amiga na Glória. Gosto de ser carioca. Gosto de ter tanta coisa pra fazer que ainda nem sequer tive tempo de comer Biscoito Globo.



Voltei.



posted by Arlequina @ 6:29 PM   0 comments
 




il libretto

 

Rss


"Em qualquer terra em que os homens amem. 
 Em qualquer tempo onde os homens sonhem.
 
                                                        Na vida."

Máscaras - Menotti del Picchia

 

outros palhaços

 

Ai Minha Santa Aquerupita!
By Julia
Meu Melhor Amigo Gay
Quero te pegar sóbrio
Cara de Milho
Humano e Patético
Bodega da Loli
Café e Cigarros
Flor de Hospital
Diário de Trabalho
Homem é Tudo Palhaço
Vida Bizarra
A Casa das Mil Portas

 

clap

 

Opera Bufa
Desenblogue
Pérolas para porcos
Piores Briefings do Mundo
Malvados
Vida Besta
Omelete
Danilo Gentili
Wagner & Beethoven
Ryotiras
Vai trabalhar, vagabundo!
Follow the Colours
Design On The Rocks
Puta Sacada
4P
Anões em Chamas
Kibe Loco

 

o carnaval que passou


Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Janeiro 2009

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Setembro 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

Fevereiro 2010

Março 2010

Abril 2010

Maio 2010

Junho 2010

Julho 2010

Agosto 2010

Outubro 2010

Novembro 2010

Dezembro 2010

Janeiro 2011

Fevereiro 2011

Março 2011

Abril 2011

Maio 2011

Junho 2011

Outubro 2011

Dezembro 2011

Janeiro 2012

Março 2012