8.26.2010
Descuido ou Poesia
 
Pode ter sido coisa de adolescente, como tantas coisas são. Um momento que acontece na vida das pessoas normais, pouco antes dos 20 anos. Muita energia e pouco foco. Vontade de viver uma história mirabolante, de se entregar a algo, de conquistar qualquer impossível, desafiar limites. A realidade como ela é começa a ser descoberta e precisa de um sonho hollywoodiano pra continuar engolível. É nesse momento de vulnerabilidade que a gente se descuida e inventa amores. O mundo é grande e solitário, com pouca ou nenhuma certeza. Crio um sentimento e então tenho a certeza de algo: amo. Amo e é pra sempre. Tenho uma história. Vivo. Tenho o que contar nas rodas de conversa, enfrento as horas de tédio e até aproveito pra adiar uma decisão de verdade, na espera de ser tomada. Todos gostam de alimentar uma história única bem pessoal pra dar, se não sentido, leveza à vida. Principalmente eu.

Ou pode ter sido Deus. Que um dia, há muitas vidas atrás, decidiu e arranjou esse encontro de almas. Pode ter sido o maior dos amores, que não gasta, não acaba, se renova e se reencontra várias vezes. O amor que nasceu antes de existir qualquer filme ou qualquer Hollywood, antes de haver qualquer filosofia ou sentido de qualquer coisa. O amor que esnoba a busca pelo sentido de qualquer coisa porque é independente e maior que tudo isso inventado depois dele. Amor que deseja tanto ser feliz, que não sabe separar fim da felicidade e começo do sofrimento, mistura tudo e vive em euforia. E depois se acalma, sossega, mas nunca esquece e continua amando. E vira uma história linda que mora eternamente em uma alma, indo junto aonde ela for.

Poder ser descuido ou poesia. Mas o que quer que seja, é sempre você.

posted by Arlequina @ 4:22 PM   4 comments
 





8.19.2010
Winner
 
Ela coleciona troféus. Em uma estante muito enorme, do tamanho da mania que ela tem de achar que o máximo de si nunca é o suficiente. Ela sabe dançar, mas se recusa a dançar o que não sabe. Fala quantos idiomas mesmo? Acho que cinco. Não torce pra time nenhum, eu acho, mas discute futebol. Degusta cerveja. Fica toda elétrica quando bebe café. Ela tinha de tudo pra ser princesa do mundo dela, até a timidez certa. Mas veio com aquela maldição estranha, uma eterna vontade de ver como é ali daquele lado. A maldição cujo efeito colateral é fazer de você sempre um estrangeiro. Sei bem como é.

Um dia, ela veio parar no mesmo mundo que eu. Viu que gente nem sempre combina, nem sempre fala baixo, nem sempre usa bege e nem sempre está certa. Um deslumbre fofo, que alimenta decisões surpreendentes. Ela sempre surpreende, todo dia ou quase. Age como se estivesse dizendo um dois três e já a cada cinco minutos. Tudo é um grande passo que dá um frio na barriga e ela encara. Descobre alguma coisa nova sobre ela mesma, e a gente também. É divertido. E às vezes entra em pânico, é engraçado.

Ela entra em pânico porque nesse mundo tá bem difícil de ganhar um troféu. Eu queria que ela soubesse que eu sei que ela vai conseguir sim. Estarei aplaudindo, na fileira dos clichês. E gritando eu disse! Mas sei disso com uma dorzinha, porque conheço a maldição. Ela vai descer direto do pódio pra outro mundo novo. E eu não vou ter mais uma Rory Gilmore na minha vida.
posted by Arlequina @ 5:55 PM   1 comments
 




il libretto

 

Rss


"Em qualquer terra em que os homens amem. 
 Em qualquer tempo onde os homens sonhem.
 
                                                        Na vida."

Máscaras - Menotti del Picchia

 

outros palhaços

 

Ai Minha Santa Aquerupita!
By Julia
Meu Melhor Amigo Gay
Quero te pegar sóbrio
Cara de Milho
Humano e Patético
Bodega da Loli
Café e Cigarros
Flor de Hospital
Diário de Trabalho
Homem é Tudo Palhaço
Vida Bizarra
A Casa das Mil Portas

 

clap

 

Opera Bufa
Desenblogue
Pérolas para porcos
Piores Briefings do Mundo
Malvados
Vida Besta
Omelete
Danilo Gentili
Wagner & Beethoven
Ryotiras
Vai trabalhar, vagabundo!
Follow the Colours
Design On The Rocks
Puta Sacada
4P
Anões em Chamas
Kibe Loco

 

o carnaval que passou


Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Janeiro 2009

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Setembro 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

Fevereiro 2010

Março 2010

Abril 2010

Maio 2010

Junho 2010

Julho 2010

Agosto 2010

Outubro 2010

Novembro 2010

Dezembro 2010

Janeiro 2011

Fevereiro 2011

Março 2011

Abril 2011

Maio 2011

Junho 2011

Outubro 2011

Dezembro 2011

Janeiro 2012

Março 2012