4.12.2010
I love you, my friend
 
Alvy Singer: Here, you look like a very happy couple, um, are you?
Female street stranger: Yeah.
Alvy Singer: Yeah? So, so, how do you account for it?
Female street stranger: Uh, I'm very shallow and empty and I have no ideas and nothing interesting to say.
Male street stranger: And I'm exactly the same way.
(Woody Allen - Annie Hall)

Aproximadamente um ano depois de ter voltado dos EUA, eu já tenho uma opinião bem formada sobre porque não me dei bem com nenhum americano e porque quase enlouqueci na Dollar Land. E não, não vou falar mal de americano (só por) hoje. Esse texto é uma autocrítica.

Aquele é um povo que não se conforma com pouco se ele paga, mas se conforma fácil com o que é de graça. Ai de um garçom que trouxer uma comida fria, ou de qualquer representante de serviço mal executado que se recusar a devolver o dinheiro. Mas eles não questionam a presença militar no Iraque, não questionam a presença de tanto mexicano ilegal na cozinha dos restaurantes, não questionam a existência de um last call que obriga todo mundo a parar de beber às duas da manhã e não questionam o que é amizade. Para ser amigo nos EUA, basta dizer que é. Alguém sorriu pra você, brindou uma cerveja, assistiu um filme junto, that’s it, vocês são amigos. É tão comum chamar qualquer um de amigo, que a palavra “conhecido” (acquantaince) muito raramente é usada. E engraçado que eles se sentem muito ofendidos quando se diz que não, não somos amigos. “Como assim? Você não gosta de mim???”

Agora veja bem como o mundo de relacionamento entre gente superficial e vazia que não questiona nada funciona de maneira muito mais simples e divertida. Não só de amizade, mas qualquer relacionamento, ainda que eventual. Uma vez estava descontente com o serviço da escola que frequentava. Solicitei o dinheiro que paguei de volta (e não foi pouco), dizendo que queria ir estudar em outro lugar. Fui reembolsada fácil. Tão fácil que deu medo. Junto com o reembolso, veio um sorriso super mega nice da tia de Relações Públicas dizendo: “Estou alegre por você ter informado nossa falha. Espero que você seja feliz e boa sorte.” Ela ficou lá alegre, e eu fui embora com meu dinheiro no bolso. Simples assim. Não é ótimo?

Agora imagina um mundo onde todos fossem pentelhos e questionadores que nem eu. A tia da RP me responderia bufando de ódio “Olha minha filha, a gente sempre trabalhou assim e ninguém nunca reclamou, porque aqui nesse college nosso interesse é produzir diplomas, não inteligência. Agora que você descobriu isso, metida a espertinha, enfia seu dinheiro terceiromundista no rabo porque não precisamos dele, vai procurar sua turma e não me enche o saco.” Não seria muito nice. Ninguém seria alegre. Ainda bem que não trabalho em RP.

Desde pequena tenho essa mania irritante de questionar as coisas que se falam e querer que elas sejam exactamente iguais às ações que as sucedem. Aí me recuso a dar bom dia se não quiser mesmo que a pessoa tenha um bom dia. Me recuso a dizer que está tudo bem se não está. Me recuso a dizer seja feliz se quero que aquela pessoa morra pelo menos durante um tempinho até aprender que não se deve me magoar. Me recuso a perguntar como você está se não tenho o menor interesse em saber como você está. E sempre achei isso muito lógico e correto. Sempre tive certeza de que todos seriam mais leves e mais felizes se parassem de dizer coisas a torto e a direito só por convenção.

Aí o Tio Sam me ensinou que essa minha mania é justamente o que complica tudo sem necessidade e é por causa dela que não consigo ter uma convivência pacífica com ninguém em país algum. Ou seja, quem vive no planeta errado sou eu. Porque é tudo muito perfeito e harmonioso quando basta saber dizer e ouvir palavras doces, acreditar nelas e seguir a vida. Chamar todo mundo de amigo, dizer que se importa muito com quem está a sua volta, proferir aquele velho “Conte comigo sempre que precisar viu?” é simples, é fofo, é atencioso, é simpático. Mas estar pronto para fazer parte da vida de alguém de verdade dá muito trabalho. E questionar essa lógica dá mais trabalho ainda. Otária sou eu, que perco meu tempo e sempre termino sozinha. Certos são os americanos, nice, friendly and happy people.

God bless them.
posted by Arlequina @ 4:42 PM   5 comments
 




il libretto

 

Rss


"Em qualquer terra em que os homens amem. 
 Em qualquer tempo onde os homens sonhem.
 
                                                        Na vida."

Máscaras - Menotti del Picchia

 

outros palhaços

 

Ai Minha Santa Aquerupita!
By Julia
Meu Melhor Amigo Gay
Quero te pegar sóbrio
Cara de Milho
Humano e Patético
Bodega da Loli
Café e Cigarros
Flor de Hospital
Diário de Trabalho
Homem é Tudo Palhaço
Vida Bizarra
A Casa das Mil Portas

 

clap

 

Opera Bufa
Desenblogue
Pérolas para porcos
Piores Briefings do Mundo
Malvados
Vida Besta
Omelete
Danilo Gentili
Wagner & Beethoven
Ryotiras
Vai trabalhar, vagabundo!
Follow the Colours
Design On The Rocks
Puta Sacada
4P
Anões em Chamas
Kibe Loco

 

o carnaval que passou


Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Janeiro 2009

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Setembro 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

Fevereiro 2010

Março 2010

Abril 2010

Maio 2010

Junho 2010

Julho 2010

Agosto 2010

Outubro 2010

Novembro 2010

Dezembro 2010

Janeiro 2011

Fevereiro 2011

Março 2011

Abril 2011

Maio 2011

Junho 2011

Outubro 2011

Dezembro 2011

Janeiro 2012

Março 2012